Poxa seu Oscar, assim não dá para te defender!

Green Book foi o principal vencedor do Oscar 2019

Depois de uma cerimônia cheia de conquistas históricas, a vitória de Green Book – O Guia só representa que o Oscar pode ter avançado em diversas questões, mas deu dez passos para trás com a última estatueta da noite. Para começar, perceba a expressiva presença de homens brancos para receber o prêmio de Melhor Filme de uma história que trata sobre racismo. Apenas duas pessoas negras estão no palco: Mahershala Ali, que inclusive levou prêmio de Melhor Ator Coadjuvante pelo mesmo filme, e Octavia Spencer, uma das produtoras.

Uma das alegrias da noite: a vitória de Spike Lee

Ao contrário de Infiltrado na Klan, que critica o preconceito racial enraizado, e Pantera Negra, que empodera a cultura negra, Green Book – O Guia é uma fórmula pronta de “sessão da tarde”, por isso que agrada a maioria. Mas é uma armadilha. Tratar como entretenimento um tema que protesta por respeito e igualdade demonstra completa alienação das mudanças que estão acontecendo.

Tudo bem que é uma reprodução de uma época diferente de hoje, mas por que escolher um homem branco para protagonizar? Por que homens brancos são roteiristas e dirigem um longa, do qual, eles não possuem “lugar de fala”? O filme não reflete os problemas sociais e não aponta estes erros e maquia um final feliz para aliviar a culpa histórica com os negros. O que parece ter sido a escolha pacífica, só mostra que a Academia precisa continuar insistindo na “desconstrução” e não empacar no meio do caminho.

Ruth e Hannah com os seus merecidos prêmios

Apesar do desabafo inicial, a cerimônia do Oscar foi uma das mais objetivas graças a ausência de um anfitrião e focado no que mais interessa: a entrega das estatuetas. A introdução feita pelo trio afiado de Bruna Thedy, Amy Phoeler e Tina Fey foi um dos pontos alto e mostra que qualquer uma das comediantes segurava fácil a apresentação oficial da noite. Além disso, o Oscar acertou com a sua distribuição de prêmios. Esta foi a primeira edição no qual duas mulheres negras foram consagradas, em 91 anos de premiação, em duas categorias: Melhor Figurino e Melhor Design de Produção para Ruth E. Carter e Hannah Beachler, respectivamente.

E não para por aí. Estes prêmios foram decorrente do trabalho em Pantera Negra, o primeiro longa de super-herói (e o primeiro super-herói negro no cinema) indicado a Melhor Filme e, claro, é o primeiro da Marvel na categoria. Outros destaques merecidos da noite são: Mahershala Ali realizou outro feito ao ser o primeiro negro premiado duas vezes na categoria Melhor Ator Coadjuvante; Spike Lee conquistou o seu primeiro Oscar, assim como foi a sua primeira indicação na carreira, fez um ótimo discurso e deu as costas quando Green Book foi premiado, e Lady Gaga e Bradley Cooper reproduziram a essência de Shallow, de Nasce Uma Estrela, e protagonizaram o momento mais romântico da noite.

Alfonso Cuarón com os três Oscars de Roma

Temos também a consagração de Roma, que apesar não levar o prêmio principal, ainda assim saiu vitorioso. Não só pelo número de prêmios, mas pelo seu simbolismo tecnológico e social. Batizado pela Netflix, o filme representa um novo caminho para o consumo de obras audiovisuais e assim conquistarem mais um meio de produção, exibição e inclusão.

E o diretor mexicano Alfonso Cuarón marcou ainda mais o seu território ao levar o Oscar de Melhor Direção pela segunda vez e receber a honraria do conterrâneo Guillermo del Toro. Este é um auge incrível ao perceber que, nos últimos cinco anos, este prêmio foi parar em mãos mexicanas: Cuarón por Gravidade (2014), Alejandro González Iñárritu por Birdman e O Regresso (2015 e 2016) e del Toro por A Forma da Água (2018). Onde está seu muro agora, Donald Trump?

Confira a lista completa dos premiados

Melhor Filme: Green Book: O Guia
Melhor Direção: Alfonso Cuarón – Roma
Melhor Atriz: Olivia Colman – A Favorita
Melhor Ator: Rami Malek – Bohemian Rhapsody
Melhor Atriz Coadjuvante: Regina King – Se a Rua Beale Falasse
Melhor Ator Coadjuvante: Mahershala Ali – Green Book: O Guia
Melhor Roteiro Original: Green Book: O Guia
Melhor Roteiro Adaptado: Infiltrado na Klan
Melhor Filme Estrangeiro: Roma (México)
Melhor Documentário: Free Solo
Melhor Animação: Homem-Aranha no Aranhaverso
Melhor Trilha Sonora: Pantera Negra
Melhor Canção Original: Shallow – “Nasce Uma Estrela
Melhor Edição: Bohemian Rhapsody
Melhor Design de Produção: Pantera Negra
Melhor Fotografia: Roma
Melhores Efeitos Visuais:O Primeiro Homem
Melhor Figurino: Pantera Negra
Melhor Maquiagem e Penteado: Vice
Melhor Mixagem de Som: Bohemian Rhapsody
Melhor Edição de Som: Bohemian Rhapsody
Melhor Curta-Metragem: Skin
Melhor Curta-Metragem de Documentário: Period. End of Sentence
Melhor Curta-Metragem de Animação: Bao

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s