Grandes Olhos

217143.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxxO drama apresenta a história real da pintora Margaret Keane, uma das artistas mais comercialmente rentáveis dos anos 1950 graças aos seus retratos de crianças com olhos grandes e assustadores. Defensora das causas feministas, ela teve que lutar contra o próprio marido no tribunal, já que o também pintor Walter Keane afirmava ser o verdadeiro autor de suas obras. Fonte: AdoroCinema

Sempre terei uma grande birra com o Tim Burton. Desde Edward Mãos de Tesoura nunca mais consegui admirar um filme de sua autoria. O que me incomoda sempre foi o exagero do gótico e do sombrio em suas histórias, e sempre de uma maneira muito caricata e até infantil. Sem mencionar o seu “bromance” com Johnny Depp que né. Mas em Grandes Olhos consegui ver finalmente um amadurecimento na sua estética. Apesar de ser uma produção que passa superficialmente por cima do drama da pintora Margaret Keane, não dá pra negar que senti um alívio ao ver que o diretor consegue sair, um pouco, de sua zona de conforto.

Continuar lendo “Grandes Olhos”

Cinquenta Tons de Cinza

211678.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxxAnastasia Steele é uma estudante de literatura de 21 anos, recatada e virgem. Uma dia ela deve entrevistar para o jornal da faculdade o poderoso magnata Christian Grey. Nasce uma complexa relação entre ambos: com a descoberta amorosa e sexual, Anastasia conhece os prazeres do sadomasoquismo, tornando-se o objeto de submissão do sádico Grey. Fonte: AdoroCinema

Ou eu sou uma pessoa muito infantil ou  50 Tons de Cinza é ridiculamente cômico. Vamos pela segunda opção. Por uns cinco segundos acreditei que fosse exagero, tanto burburinho sobre o filme ser ruim, mas já dizia o ditado: a voz do povo é a voz de Deus. E esta voz tem razão. É um absurdo a tamanha imaginação sem fundamentos da direção de Sam Taylor-Johnson e o roteiro de Kelly Marcel, baseado no livro de E. J. James. Não é exagero e se  você tem noção da vida e principalmente bom senso, vai concordar comigo quando os créditos subirem.

Continuar lendo “Cinquenta Tons de Cinza”

Dois Dias, Uma Noite

dois dias, uma noite

Sandra perde seu emprego pois outros trabalhadores da fábrica prefiram receber um bônus ao invés de mantê-la na equipe. Ela descobre que alguns de seus colegas foram persuadidos a votar contra ela. Mas Sandra tem uma chance de reconquistá-lo. Ela e o marido têm uma tarefa complicada para o final de semana: eles devem visitar os colegas de trabalho e convencê-los a abrir mão de seus bônus, para que o casal possa manter o seu emprego. Fonte: AdoroCinema

Existem poucas pessoas no mundo pelas quais colocaria a mão no fogo e uma delas se chama Marion Cotillard. A atriz francesa virou a querididnha do cinema e não é pra menos, cada papel é uma vida nova sendo representada. Em Dois Dias, Uma Noite, Marion é Sandra, uma operária que a recém se recuperou de uma depressão e em seguida que volta a trabalhar, é demitida. Porém, seu chefe lhe propõe um acordo: se os seus 16 colegas abrirem mão de um bônus de mil euros, ela pode voltar ao trabalho. Só que estas mesmas pessoas já votaram na decisão de mandá-la pra rua, daí é que a protagonista tem este desafio de tentar convencê-los a mudarem de opinião.

Continuar lendo “Dois Dias, Uma Noite”

Acima Das Nuvens

hqdefault

Maria Enders é uma famosa atriz que fica perturbada com o fato de que JoAnn, jovem estrela de Hollywood, irá interpretar o papel que a fez famosa há vinte anos. Convidada a dividir o palco com a novata, uma insegura Enders viaja até os Alpes para ensaiar e conta com o apoio de sua assistente no confrontamento com seu passado. Fonte: AdoroCinema

O mundo seria perfeito se todos pudéssemos ser livres de qualquer preconceito. No cinema então, não existiria rótulos. Apenas adjetivos complementares e característicos para colocar na teoria o que vemos na prática. Em Acima das Nuvens, um pecado acontece ao colocar Kristen Stewart como coadjuvante ao lado de Juliette Binoche, a principal do rolo. As duas entregam um trabalho tão dignamente intenso que você quer apenas devora-lo ainda mais.

Continuar lendo “Acima Das Nuvens”

Especial: Tudo Sobre Minha Mãe (1999)

Existe apenas um homem que é capaz de entender  uma mulher:  Pedro Almodóvar. Tudo Sobre Minha Mãe engloba praticamente tudo sobre este universo feminino e nenhuma homenagem será tão esplêndida como este filme. Sempre será difícil para mim colocar em palavras o que sinto e penso sobre as obras de Almodóvar, pois sou apaixonada por suas películas, sua arte e principalmente pelas suas ideias. Mas tirando fora todo o meu fanatismo, é evidente a sua paixão pelas mulheres e ele sabe como contar uma história feminina.

Tudo-Sobre-Minha-Mãe

Tudo Sobre Minha Mãe tem um milhão de caminhos (característica Almodovariana) e em todos a presença de mulheres é constante. Cada uma com seu drama e todas sob o amparo de Manuela (Cecília Roth), que após perder o filho Esteban (Eloy Azorín) resolve ir atrás de Lola (Toni Cantó) pai do menino, e sim um travesti, e lhe contar sobre. Nesse caminho, ela reencontra sua amiga do passado Agrado (Antonia San Juan), uma travesti que é um espetáculo a parte e a partir dela conhece uma jovem freira, María Rosa (Penélope Cruz) que infelizmente se relacionou com Lola, pai do filho de Manuela e agora está grávida. Reviravoltas é o que não falta por aqui. Isso porque ainda não chegamos na parte em que Manuela resolve ir atrás de Huma Rojo (Marisa Paredes), como se fosse um último pedacinho que sobrou de seu filho e também desabafar sobre a morte dele.

Continuar lendo “Especial: Tudo Sobre Minha Mãe (1999)”

Especial: Funny Girl – A Garota Genial (1968)

Muitos vão me olhar torto se disser que sou fã de Glee. Comecei assistir porque sabia que era uma série musical e adivinha quem ama colocar música em tudo que é momento da vida? Pois então, colocando de lado toda crítica em relação a Glee, não dá pra negar que existe muita referência a cultura pop na série. O filme Funny Girl – A Garota Genial e a estrela Barbra Streisand são ícones que existem neste mundinho, que fui atrás pra ver qualé que era dessa gente e e fiquei apaixonada.

funny-girl-1

É um filme muito antigo e poucos tem conhecimento sobre, mas não dá para esquecer Barbra sendo bárbara (sorry) neste musical que a mostra tendo a vida e a carreira dos seus sonhos, mas chega aquela hora que a balança vai acabar pesando para algum lado. Aqui, Fanny Brice é uma pobre judia que tem como sonho ser uma famosa cantora, porém não consegue oportunidade porque não é bonita iguais as outras garotas, até o momento em que afirma ser uma grande estrela no palco. O seu grande charme é a sua personalidade cômica que transparece só de abrir a boca, mas nada de que a refreie em algum momento. Ela se aceita e segue em frente. Estas qualidades chamaram atenção do jogador Nick Arnstein (Omar Sharif) que apesar dos pesares, conseguiu conquistar a Funny Girl.

Continuar lendo “Especial: Funny Girl – A Garota Genial (1968)”

Especial: O Diabo Veste Prada (2006)

O Diabo Veste Prada seduz muito mais pela aparência do que pelo conteúdo, vamos ser sinceros. O glamour da moda, New York, Gisele Bundchen, sessão de fotos, roupas Chanel e a música Vogue tocando no fundo são os maiores atrativos dessa mega produção que até hoje se mantém atual.  O filme é baseado na obra de Lauren Weisberger e nos traz a nossa deusa na terra Meryl Streep como Miranda Priestly como o alter ego de Anna Wintour, editora de moda da Vogue norte-americana. Muitos vão dizer que adoram esse filme por todo esse badalo que vemos na tela, mas o que amo nessa história é o poder e a inteligência na gerência que Miranda tem nas mãos e de como Andy (Anne Hathaway) tem que decidir entre o que vale mais: o que ela sempre acreditou ou que tem que acreditar para se dar bem em um emprego.

the-devil-wears-prada-615x409

Miranda e Andy são totalmente opostas em personalidades. Enquanto Meryl interpreta uma mulher comprometida em tempo mais do que integral com o seu trabalho, tornando-o ar que respira, Andy quer apenas encerrar o seu expediente e ir para casa. Mas na Revista Runway não é bem assim. Como todas as meninas do mundo almejam estar naquele cargo, a personagem de Andy dá de ombros, pois em seu pensamento, um ano será o bastante para mostrar que teve alguma experiência e só tem que aguentar quieta os desaforos daquela gente fútil da moda. Engana-se ela que tudo aquilo era só frescura. Aquele discurso que Miranda faz quando Andy ri da reunião que presencia, faz qualquer opinião superficial sobre o mundo da moda desaparecer. E a partir daí, é que a moça resolve levar aquilo ao pé da letra.

Continuar lendo “Especial: O Diabo Veste Prada (2006)”